İstanbul escort bayan sivas escort samsun escort bayan sakarya escort Muğla escort Mersin escort Escort malatya Escort konya Kocaeli Escort Kayseri Escort izmir escort bayan hatay bayan escort antep Escort bayan eskişehir escort bayan erzurum escort bayan elazığ escort diyarbakır escort escort bayan Çanakkale Bursa Escort bayan Balıkesir escort aydın Escort Antalya Escort ankara bayan escort Adana Escort bayan

sexta-feira, maio 24, 2024

Aspectos Geográficos

O município de Correntina ocupa uma área de 11.492,171 Km², tem uma população de 31.249 habitantes, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE de 2010. Localiza-se na microrregião de Santa Maria da Vitória, que por sua vez integra-se a mesorregião do extremo oeste baiano, na sua vertente ocidental do Rio São Francisco.

Distante 919 Km de Salvador, capital do estado da Bahia e cerca de 635 Km em linha reta e a 550 Km de Brasília, Capital Federal. Situa-se nas coordenadas: 13º 20’24” de latitude sul, 44º 38’11” de longitude W Gr. Rumo 86º 03’50” de Salvador com altitude de 580 m acima do nível do mar.

Limita-se ao Norte com o município de São Desidério; ao sul com Jaborandi; ao leste com Santa Maria da Vitória; e ao oeste com São Domingos e Guarani no estado de Goiás.

Rios

No seu conjunto territorial o município é drenado pelos rios: Correntina, Arrojado, do Meio, Guará e Santo Antônio. Os quais integram-se a Micro-bacia do Rio Corrente que compõe a Bacia do São Francisco. É uma região de tipo climático úmido; úmido a subúmido e seco a subúmido com estação seca bem acentuada, coincidindo com o inverno. A temperatura média do mês mais frio é superior a 18ºC, possuindo uma precipitação média de 1.200 mm anuais, segundo a estação meteorológica de Correntina.

A distribuição pluviométrica ao longo do ano apresenta como característica a concentração de chuvas em um período de 5 a 6 meses (outubro a março), propiciando o cultivo agrícola de subsistência e cultivo de grãos em larga escala. Atualmente a região é vista como espaço de produção e acumulação capitalista, antes expresso na região centro sul do país, hoje expresso nos mega projetos, os quais transformam o cerrado numa grande
fronteira agrícola.

Vegetação e relevo

Temos por um lado uma vegetação classificada como cerrado arbóreo aberto sem floresta de galeria; parque sem floresta de galeria; parque com floresta de galeria, gramínea lenhosa com floresta de galeria, floresta estacional decidual, contato caatinga-floresta estacional.

No relevo regional predomina o chapadão Central; depressão do São Francisco; patamares do chapadão. Uma superfície mais baixa, em torno de 400 a 600 metros relativas aos vales fluviais e uma superfície mais elevada do planalto ocidental da Bahia que inicia na divisa de Goiás e Tocantins em cotas de 900 a 1000 metros, e vai declinando suavemente em direção ao Rio São Francisco. Essa área é constituída por arenito, alcançando em alguns pontos a espessura de 2300 metros. A geologia é constituída por arenitos finos e médios, gnaisses, calcários dolomíticos, siltitos, folhelhos, argilitos e ardósias.

ECONOMIA

O município ocupa atualmente uma posição de destaque no cenário geoeconômico pela produção de grãos em grande escala, atraindo grandes empresas nacionais e multinacionais que instalam todo seu arsenal produtivo.

No setor agrícola destaca-se a produção em larga escala de soja, milho, café, cana-de açúcar entre outras, com bom índice de produtividade. Na pecuária, por meio da substituição da vegetação natural, por grandes campos de pastagens a bovinocultura ganha lugar de destaque.

A ocupação pelo grande capital favoreceu a concentração fundiária e a expulsão dos posseiros de suas terras, perda dos valores culturais, extração de minérios, degradação ambiental entre outros. Essas intervenções antrópica vêm transformando o espaço correntinense de forma desordenada, sem o parecer da comunidade científica, ações essas, que vêm interferindo em todo o conjunto florístico e faunístico da região e ameaçando os recursos hídricos.