quarta-feira, novembro 13, 2019

SERVIÇOS

Festas Tradicionais

A população de Correntina, tanto da sede como do interior, tem mantido as tradições culturais e religiosas vivas ao longo dos anos. É assim com os Festejos do Divino e do Rosário, a Folia de Reis, o Carnaval, São João e outras manifestações culturais. Veja abaixo, a lista com as principais festas e comemorações do município.

Folia de Reis

Realizada entres os dias 24 de dezembro e 6 de janeiro, a Folia de Reis faz parte da história cultural de Correntina. Todo o ano, os foliões dos grupos de reis, como são chamados as pessoas que tocam e cantam de casa em casa anunciando a chegada do menino Jesus, dão vida ao Reisado visitando os presépios, conhecidos regionalmente como lapinhas.

Em casa residência, os foliões são recebidos com biscoitos, petas, café e até mesmos almoços e jantares nas casa pré-definidas. Eles passam duas sememas visitando as casas e fazendo muita festa. As pessoas que acompanham os reisados costumam dizer que estão indo biscoitar (Termo usado por conta dos biscoitos que são servidos pelos moradores em sinal de agradecimento).

Os grupos adotam um ritmo acelerado inusitados, formados por homens de origem simples que tocam, cantam e executam coreografias; utilizam instrumentos rústicos confeccionados na sua maioria por eles próprios.

Carnaval

O Carnaval de Correntina é sempre aguardado por toda população da Região Oeste da Bahia de cidades de Minas Gerais, Goiás e Brasilia. Com a participação de milhares de turistas, as ruas de Correntina são tomadas pela alegria contagiante da folia.

Durante o dia, a festa ocorre no Ranchão, balneário construído dentro do rio que passam pelo contro da cidade, e no Arquivólogo Sete Ilhas – região do Rio Correntina faz vária curvas, formando pequenas áreas que são chamada de ilhas. De beleza exuberante e ambiente ideal para a diversão de toda família.

A noite, dois trios descem a principal avenida da cidade com atrações da música baiana e artistas locais. As ruas da cidade A festa vai até amanhecer o dia e continua pelas ruas da cidade, na beira do rio e por toda parte.

A economia do município é aquecida com a grande procura por hospedagem em hotéis, pousadas e casas. Com isso o comércio também vende mais e todos ganham com os dias de carnaval.

Festa do Divino Espírito Santo e Nossa Senhora do Rosário

Segundo registros, há mais de 100 anos comemoram os Festejos do Divino Espírito Santo e Rosário em nosso município, crença popular muito antiga e vivida até hoje pelo nosso povo.

Critérios para ser festeiro é preciso ser católico praticante, fazer a inscrição antecipada para participar do sorteio entre os inscritos. No meio disso tudo, as pessoas devotas que fazem promessas ou votos ao Divino Espírito Santo ou Nossa Senhora do Rosário tem a preferência.

“A suntuosa festa do Divino e do Rosário é uma tradição religiosa deixada pelos primeiros habitantes de Correntina. De origem portuguesa, acredita-se que a festa foi trazida para o município pelo intendente Severiano Magalhães. Ele era português e deixou o nome na história política da região.

Realizada entre os meses de maio/junho, sete semanas após a Paixão de Cristo, tem grande destaque no calendário do município pelas características da celebração. Cortejo com imperadores e imperatrizes pelas ruas da cidade; cavaleiros mouros e cristãos; furto da princesa, careta da moita e dança do ventre nas corridas da cavalhada; sorteio para escolha dos novos festeiros e almoço para todos os participantes após a celebração da missa;  toda cidade decorada com bandeirolas e, em cada casa, petiscos e doces para receber os visitantes; e a filarmônica Erato Correntinense dando o ar da graça, embala Correntina que alegremente celebra o Divino Espírito Santo e Nossa Senhora do Rosário.”

Livro Correntina – História e Estórias
de Wedem de Sordi de Araújo Costa

Festa da Agricultura Familiar

A Feira de Agricultura Familiar é um ponto de encontro de amigos, representa mais renda para as famílias da Zona Rural e uma oportunidade de alimentação saudável para os moradores da cidade. Além de um ponto de encontro entre os amigos para colocar a conversar em dia.

Aberta sempre às quartas-feiras, no finalzinho da tarde, a feirinha reúne mais de 350 produtores rurais de várias comunidades e um público semanal de 2 mil pessoas na praça do Mercado Velho. Nas barracas é possível encontrar de tudo um pouco, biscoitos, doces, farinha, frutas, verduras, artesanato e muita comida com gostinho da roça.

A feirinha, como é conhecida na cidade, foi criada pela Prefeitura, por meio da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural, em 12 de julho de 2017. No início, o Poder Público assumiu as despesas com o transporte dos produtores e toda estrutura da feira. Não demorou muito e o projeto ganhou corpo e os próprios feirantes passaram a arcar com os custos para o funcionamento da feira.