Conheça a história de Correntina contada através de artefatos culturais

O Museu Municipal de História Natural Raimundo Sales inaugurado em 21 de outubro de 2000, além de conta a trajetória do planeta e expor animais em extinção, conta também a história e a cultura correntinesse. O espaço está aberto para receber visitantes de segunda a sexta das 8 às 18h na rua  Clériston Andrade, entrada franca.

Ao entrar no museu umas das primeiras coisas a que chama atenção do visitante são os painéis que mostram a formação geológica do planeta terra, em suas etapas de evolução até chegar nos dias atuais. Logo em seguida fica a exposição de rochas originária de Correntina, como granito, arenito, calcário, que faz parte da formação do solo do município.

No centro do Museu fica exporto duas amostras de sítios arqueológicos, um deles é um sítio lítico, objetos em pedra, que foram deixados por povos nômades que ficaram na região do Pratudão, há 11 mil anos. O segundo é o sítio cerâmico encontrado na fazendo Val, são utensílios domésticos utilizados nos primórdios da civilização.

 

Outro destaque é exposição de animais, a mostra exibe animais em extinção e ameaçados de extinção, e que foram atropelados na estrada. O museu tem uma parte reservada para conta a história do município, é possível encontrar artefatos usados antigamente, como balanças comerciais, trajes e utensílios culturais usados nas festas cristãs tradicionais no município.

A coordenadora do museu, Isabel Alves Moreno de Almeida, conta que os objetos expostos no espaço dedicado a Correntina foram doados por moradores. “Todo que expormos aqui faz parte da nossa cultura. Essa representação do comercio, por exemplo, era conhecido como budega, antigamente encontrava de tudo nesses estabelecimentos, desde alimentos a vestuários”.