Jovens atendidos pelo CRAS conquistam medalhas de Jiu-Jitsu

Os jovens conquistaram medalhas de ouro, prata e bronze no campeonato regional de Jiu-Jitsu

No dia 24 de novembro (domingo), em Barreiras, a equipe do Centro de Referência da Assistência Social (CRAS) participou da 4ª Etapa do Circuito Oeste Baiano de Jiu-Jitsu 2019. Os jovens trouxeram para Correntina medalhas de ouro, prata e bronze. Eles fazem parte do projeto Jovem em Movimento, realizado em parceria com a Contur Global.

Os campeões ganharam medalhas na categoria infanto-juvenil A, com idade igual ou maior que 12 até 13 anos, e B, com idade de 14 até 15 anos.

Kleber Cristophe Dos Santos (14) levou ouro na classe infanto juvenil B, peso pena; Ana Lua de Souza Santos (13), prata na classe médio; Katiane Jesus Almeida (11), prata no infanto juvenil, peso pena; Tchesca Souza Aguiar (13), trouxe para casa uma medalha de bronze no infanto juvenil A, peso pena; Kauã Talles Neves (12), bronze no infanto juvenil B, peso médio; Victor Hugo Conceição Vaz (13), medalha de bronze infanto juvenil B, peso leve.

“Sabemos que o esporte dá base para que as crianças tenham um futuro melhor, mas também precisamos da escola para que futuramente ingressem em uma universidade. Queremos que eles tenham uma perspectiva de vida melhor”, explica a secretária de Assistência Social e Cidadania, Magda Montalvão.

Os professores (facilitadores) de Jiu-Jitsu, Diogo Queiros e Leonardo Nogueira, que treinaram os jovens campeões para a 4ª Etapa do Circuito, contam que é só o começo, pois existem muitos jovens com capacidade para vencer. “Para o que vem, pretendemos levar pelo menos uns 15 alunos. E traremos, com certeza, mais medalhas de ouro”, disse Diogo.

Kleber Cristophe e Ana Lua contam que os treinos exigem muito deles, mas que isso só faz com que gostem mais do esporte. “O Jiu-Jitsu é um esporte bom, competitivo, que precisar praticar muito. Eu sempre estou aprendendo vários golpes como, mata leão, arm-locke triângulo. A gente treina muito para ganhar” disse o medalhista de ouro.

“Os treinos são muito bons, os professores são rígidos, mas é muito bom, porque desenvolvemos mais. E quando vamos para os campeonatos ganhamos e trazemos medalhas e representamos nossa cidade com muito orgulho”, falou Ana Lua.